9 de novembro de 2010

Breve comentário sobre 1 Timóteo 3.16

Evidentemente, grande é o mistério da piedade: Aquele que foi manifestado na carne foi justificado em espírito, contemplado por anjos, pregado entre os gentios, crido no mundo, recebido na glória.

Almeida Revista e Atualizada.

O texto paulino, que muitos acreditam ser parte de um hino cristão primitivo, esboça aquilo que mais tarde veio a ficar conhecido como a doutrina dos estados de Cristo: sua humilhação e sua exaltação. Mas antes de adentrar nesse assunto, Paulo faz um breve intróito, dizendo que “grande é o mistério da piedade”. Penso que aqui o apóstolo tem algo muito mais amplo em mente do que meramente a devoção (pietas) cristã. Ele pode estar muito bem se referindo ao próprio sentido da História e para onde ela converge (cf. Ef 1.10).

Que Paulo usa o termo “mistério” para referir-se a algo que estava escondido e foi revelado (cf. Cl 1.27) pode ser provado pelo que ele diz a seguir: “Aquele que foi manifestado em carne”. O termo grego que o apóstolo usa para “manifestado” é ephanerothe, que tem justamente a ideia de tornar visível algo que estivera oculto. O fato de tal verbo estar na voz passiva não significa que Cristo foi criado ou que não teve vontade própria ao fazer-se carne, e sim que sua encarnação se deu por deliberação do Pai, com a qual o Filho plenamente consente (Jo 4.34), e “na plenitude do tempo” (Gl 4.4). Onde começa o estado de humilhação do Redentor (sua encarnação) é também onde começa o desvendar da História (o “rasgar do véu”).

Como que querendo mostrar que Cristo não demoraria em seu estado de humilhação, como certamente queriam seus inimigos, o apóstolo, num só fôlego, diz que “aquele que foi manifestado na carne foi justificado em espírito, ressaltando, de uma vez por todas, que o Cristo prometido não veio apenas para ser humilhado em uma rude cruz, mas sobretudo para triunfar sobre ela e a morte. Isto ele fez ao ressuscitar dos mortos ao terceiro dia, o que patenteou definitivamente que Ele era, de fato, o Filho Unigênito de Deus (cf. Rm 1.4). Tal acontecimento marcou a ruptura entre o estado de humilhação e o de exaltação do Redentor – não porque o primeiro fosse irrelevante, visto que sem a encarnação não haveria o “está consumado” (Jo 19.30), mas porque o Descendente da mulher, para erguer de fato a bandeira do seu triunfo, deveria esmagar a cabeça da serpente (Gn 3.15), vencendo, com ela, a morte (1 Co 15.26; 54ss; 2 Tm 1.10). O contraste entre a humilhação do Redentor e sua exaltação também pode ser percebido pelas antíteses “manifestado x justificado” e “carne x espírito”[*].

Na sequência, o apóstolo vai dizer que o Redentor também foi “contemplado [ophten] por anjos”. Os anjos não participaram da ressurreição de Cristo, no sentido de lhe conferir vida, mas foram apenas testemunhas (cf. Mt 28.2) do poder com que o Espírito de santidade (Rm 1.4) reergueu Aquele que sobre uma horrenda cruz havia padecido naquela sexta-feira. Devemos nos guardar de associar tal texto à descida de Cristo ao Hades (expressa pelo Credo Apostólico), visto que não temos respaldo bíblico suficiente para argumentar que os anjos viram a Cristo em seu (suposto) estado intermediário, muito menos para dizer que Cristo realmente esteve lá.

O fato de Cristo ter sido “pregado aos gentios” deve ser entendido à luz do fato de que ele também foi “crido no mundo”, e vice-versa. O mensagem do evangelho não estava restrita a um povo em particular, como os judeus pensavam, mas espandia-se para além das fronteiras étnicas (cf. Ap 5.9). Alguns hão de argumentar, com base na afirmativa de que o Messias foi “crido no mundo”, que a obra do Redentor visava à salvação de toda humanidade. Mas tal pensamento é demasiadamente inócuo, visto que o apóstolo está se referindo à atuação do Espírito (o mesmo que ressuscitou a Cristo) naqueles que hão de crer na Palavra pregada, visto que é o Espírito Santo que nos outorga fé (salvífica) para crer. Além do quê, Paulo está se referindo ao mundo no qual o Verbo se fez carne. Ele não esperava que uma criatura que porventura estivesse andando de skate nos aneis de Saturno viesse a crer no evangelho.

Finalmente, o apóstolo diz que o Redentor foi “recebido na glória”. Não nos resta dúvida de que aqui ele esteja se referindo à exaltação de Cristo ao ser ascenso aos céus , visto que o termo que ele usa para “recebido”, no grego, tem a ideia de “ser exaltado; levantado”. Apesar de termos a liberdade teológica de englobar aqui a verdade de que Cristo “subiu aos céus e está assentado à direita de Deus Pai Todo-Poderoso, de onde há de vir para julgar os vivos e os mortos”, devemos cuidar para que não desprezemos o aspecto histórico (temporal) desta exaltação. Cristo foi exaltado de fato, e não apenas por uma conveniência teológica.

É nisto que creio.

Soli Deo Gloria!

_________________________________

[*] Com isto, não estou endossando nenhum dualismo radical (e platônico, diga-se de passagem) entre corpo e espírito, visto que isso me levaria ao docetismo e tantas outras heresias cristológicas do período patrístico. Minha intenção foi apenas mostrar o triunfo de Cristo sobre a fraqueza da natureza humana, e só.

3 comentários:

  1. Leonardo,

    Muito boa a sua breve exegese sobre 1 Timóteo 3:16...acho que foi até profundo demais para considerar um breve comentário.

    Eis aí o verdadeiro mistério da piedade que deveria ocupar o nosso melhor esforço intelectual: compreender a vida e a obra de Jesus.

    Soli Deo Gloria!

    ResponderExcluir
  2. Caro irmão, excelente exposição. Parabens!

    ResponderExcluir
  3. Helder,

    De fato, era pra ser breve. Mas como se conter diante de tantas Verdades? rsrs!

    O fato é que quanto mais compreendo a obra de Cristo, mais eu me apego a Ele. Nossos intelectos deve clamar cada vez mais por cristocentricidade.

    Abraços!

    ResponderExcluir

Sua opinião sobre este post é muito importante. Para boa ordem, os comentários são moderados e somente são publicados os que forem assinados e não forem ofensivos, lembrando que discordar não é ofensa.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.